terça-feira, 11 de setembro de 2012

O Brasil está entre os países que menos investem em educação no mundo.

Por JOSÉ LUIZ DATENA

Eu não imaginava que fosse tão ruim assim. Também não imaginava que chegasse ao extremo essa incapacidade de gestão no que se diz respeito aos investimentos em educação.

O país sempre teve um péssimo aproveitamento escolar e uma capacidade incrível de gerar analfabetos. E os líderes sabem que quando o povo tem menos acesso à cultura e educação é mais fácil se manipular. Pobreza não acaba com comida, mas com educação!

Não vou ficar perdendo tempo em meter o pau numa prefeitura que eu sei que não funciona. Eu quero que o povo se manifeste. Esses fantásticos políticos que querem transformar a cidade de São Paulo em Europa com ciclismo para todo lado, pontes estaiadas para todo lado, com parques maravilhosos para todo lado não mexem no principal que é a educação do povo.

A escolas estão caindo pelas tabelas. Não têm material escolar e giz. Não tem porcaria nenhuma. Há escolas cercadas por traficantes, onde falta segurança. Como você quer que o povo brasileiro chegue em algum lugar?

O que adianta ser a sexta economia do mundo se a gente é quinto país que menos investe em escolas? Isso é uma vergonha! Aqui se mantém o povo no cabresto por falta de investimento em escolas.

Fonte: http://www.band.com.br

Um comentário:

Prof. Francisco José (Franzé) disse...

Parece piada, mas enquanto estamos ocupando as últimas posições em educação, a maioria das pessoas está preocupada com o futebol brasileiro que não é mais o melhor do mundo... Sou um amante do esporte, mas vejo que a educação é prioridade e através dela podemos melhorar a vida, a qualidade de vida, a economia, o meio ambiente, a educação no trânsito, a saúde e principalmente o esporte. Investindo na educação, estaremos investindo também em tudo isso... e os educadores físicos estão aí pra comprovar essa tese. Quando irão enxergar essa verdade e praticá-la? Quando irão escutar (e é escutar mesmo!) os que clamam por mais educação? Salário justo, melhor estrutura para as ecolas, qualificação dos profissionais e incentivo aos discentes são ações possíveis que mudarão esta realidade. Acorda, Brasil!